O Presidente Lula da Silva está preocupado com construir aquilo que Kruchev chamou de “culto à personalidade”. As notícias (que, a rigor, são propaganda) do lançamento de um filme sobre sua vida (!!!) lembram não Stalin, de quem não se sabe haver mandado ou autorizado filmar o Koba que assaltava bancos para fazer a revolução, mas Hitler, mais especialmente Goebbels. Tão preocupado com sua imagem está o Presidente, que não se deu conta de que o Quarto Cavaleiro do Apocalipse – ele é a Morte, convém lembrar – em plena cavalgada iniciou a destruição do “mito Lula” na América do Sul e em parte da classe política dos Estados Unidos e da Europa.

 

     Ainda que no Apocalipse os quatro Cavaleiros apareçam juntos − Guerra, Fome, Peste e Morte − no cenário ibero-americano, especialmente sul-americano, não podemos aceitar na íntegra a visão profética do Apóstolo João. Como tudo o que nos chega de muito longe, os símbolos da materialização dessa profecia sofreram uma grande mutação − mas essa mutação foi de tamanha sutileza, que poucos se aperceberam que o Quarto Cavaleiro cavalgava bastante afastado dos outros três. Em menor número ainda foram aqueles que puderam notar que ele apeava o primeiro, e, na sela do mesmo cavalo, instalava um outro aliado para travar a santa batalha contra o Grande Satanás imaginado pelos aiotolás do Irã – os EUA.

 

     O Coronel Chávez disse agora, em Cochabamba, que a guerrilha é uma probabilidade em Honduras. E o Presidente Ortega, da Nicarágua, que agora monta o cavalo da Guerra, anunciou que membros da resistência hondurenha estão procurando armas e campos de treinamento em países da América Central, parecendo desconhecer que, se a Nicarágua está na América Central, Cuba está no Caribe.

 

     A manobra de Chávez é daquelas que devem ser chamadas de Grandes Manobras. É de extrema sutileza, como dissemos acima, e tem um objetivo estratégico evidente e objetivos táticos bem definidos, embora camuflados.

 

     Chávez é pára-quedista por formação. É preciso notar, no entanto, que o comandante do golpe de Estado venezuelano era um e o Presidente eleito é outro. O primeiro raciocinava como militar fazendo a guerra tradicional aprendida nas Academias Militares; o segundo é um estrategista da Guerra Subversiva. Sendo-o, estabeleceu publicamente o fim de sua guerra, tal como os velhos bolchevistas e Hitler no “Minha luta”: a unidade bolivariana das Américas para que índios, cholos baratos e quanto se sentem oprimidos pelo Império do Norte tenham, com a ALBA, condições econômicas que se unam às geográficas para enfrentá-lo e derrotá-lo. Todos os seus assessores para a chegada legal ao poder vieram de Escolas da Guerra Subversiva na Argentina e na Alemanha. Militar da velha Escola de Guerra, formado recentemente também na nova, ele sabe que necessita de alianças extra-continentais: Rússia e Irã − pois que se dane a Doutrina Monroe.

 

     Os objetivos táticos, estes, dividiu-os em secundários e principais. O secundário foi arregimentar aliados na América: Bolívia, Equador, Nicarágua, Cuba, Dominica, Antígua e Barbuda e São Vicente e Granada. Para não falar da Argentina, cuja dívida externa foi parcialmente penhorada a Caracas. A adesão de Honduras foi frustrada, mas, bom estrategista, aproveitou a oportunidade que a História lhe ofereceu para conquistar o outro objetivo: afastar o Presidente Luis Inácio Lula da Silva do cenário político e diplomático na medida em que este parecia e até hoje pensa ser a alternativa “democrática” e “pacífica” para ele, Chávez.

 

     O perfil que Chávez traçou de seu aliado-rival foi construído aos poucos com o auxílio do próprio Lula e de seus companheiros de aventura no grande jogo internacional. Os Cavaleiros brasileiros, que antes eram três e se supunham bem montados, supõem também que esse jogo seja uma continuação da luta sindical que se traduzia, desde os anos 80, no Brasil, em ameaças aos patrões (que tinham todo interesse em ir à luta para depois simular ceder), greves violentas e finalmente num acordo que conviesse ao adversário, mas trouxesse vantagens (prestígio, sobretudo) para quem provocasse o embate.

 

     Na guerra subversiva, como na convencional, é o inimigo que faz a lei do outro. Chávez acompanhou em silêncio a ascensão de Lula ao Monte Sinai para receber não as Tábuas da Lei, mas a consagração dos que se reuniam no G-8, além da simpatia (ou mais um pouco) da Casa Branca, do Departamento de Estado e do Pentágono, que viram nele o anti-Chávez, pela sua moderação no trato dos assuntos internacionais e na relação com os setores dominantes da economia brasileira, internacionalizada. Viu, também em silêncio, os esforços de Lula para fazer do Brasil (ele, Chávez, sempre lia “Lula, ele mesmo” e não “Brasil”) o líder da América do Sul, proclamando que o Brasil, por ser o mais rico, deveria ajudar os menos desenvolvidos em sua vizinhança ou proximidades. Mediu, em balança de precisão, o progresso do triunfalismo, moléstia terminal que consome o cérebro de quem cuida da política externa brasileira. Soube esperar, medindo com cuidado o que fazer para minar o Monte Sinai na escalada triunfal de Lula.

 

     O Império jogou muitas fichas na criação da ALCA. Em La Plata (se não erro de cidade), Chávez cimentou a sepultura das pretensões norte-americanas com um palavrão. O Brasil sorriu diante da falta de urbanidade, mas a ALCA morreu. Era preciso mais: testar até que ponto Lula estava preso à idéia de Estado. Então, vociferou contra o Senado brasileiro, chamando este Poder de Estado de “papagaio de pirata dos Estados Unidos”. Silêncio oficial de parte do Presidente da República Federativa do Brasil. Para Chávez, o silêncio indicou que Lula e seus companheiros de aventura, já que tinham como carta marcada a aceitação dos Oito do G-8 de que a política brasileira seria a alternativa ao bolivarianismo, consideravam a Venezuela importante no seu jogo internacional. Claro indício, a falta de reação, de que era possível ir avante.

 

     Então, o país norte-atlântico e, ao mesmo tempo, com pretensões caribenhas, pleiteou sua adesão ao Mercosul, passando por cima de todas as formalidades estatutárias e realidades geográficas. Aceito passivamente pelos Presidentes do Mercosul, já teria ingressado nessa estranha associação de economicamente desiguais como membro de pleno direito não fora uma pequena, tímida, reação no Senado brasileiro – onde se pensa em termos de nosso comércio superavitário – faltando para tanto apenas o “aceito” paraguaio. Chávez poderá, assim, criar obstáculos a tudo o que o Brasil pretenda fazer. Lula, porém, enquanto isso, continuava subindo o Monte Sinai. Foi quando a História, com seus ardis, criou o “caso Honduras”.

 

     Foram os Três Cavaleiros do Apocalipse (conforme detalhei em artigo anterior nesta página) que levaram Zelaya à Embaixada do Brasil em Tegucigalpa. Num jogo dessa delicadeza, a Banca quase sempre ganha. E quase todos perdem. Ela ganhou.

 

     Concedamos ao Planalto e ao Itamaraty o benefício da dúvida: nem Lula, nem Garcia, nem Amorim, nenhum deles planejou este lance desastrado. Se assim foi, os Três Cavaleiros bivacaram na primeira estalagem plantada na larga, longa e pedregosa estrada do Direito Internacional e da Grande Política, aceitando o prato feito regional e tomando rum cubano, enquanto Zelaya batia à porta da Embaixada brasileira e, com 70 depois 300 amigos, pedia hospedagem. O benefício da dúvida deve ser elevado ao quadrado quando temos notícias de que foi Chávez quem tudo urdiu. Por quê? Que teria em mira? A resposta é sempre: conquistar mais um objetivo na sua Grande Estratégia, criando condições para que os Oito grandes e muitos sul-americanos considerassem que Lula (e com ele o Brasil) havia violado o princípio da não-intervenção e criado uma situação de crise interna em Honduras. A crise interna, esta foi a “mais valia” que Chávez auferiu, permitindo-lhe passar para uma nova fase de sua guerra contra o Brasil, que é a destruição da UNASUL.

 

     Chávez está pouco preocupado com saber se Zelaya volta ou não ao poder. Se consegui-lo, bem. Se não o conseguir e se a crise se agravar, tanto melhor, porque será a imagem do Brasil no mundo diplomático internacional que ficará arranhada. Na hipótese da volta de Zelaya ao Palácio de Governo, pouco adiantará os dois Cavaleiros do Apocalipse que hoje dormem em Brasília (Chávez é o quarto, e Ortega, agora, o primeiro) dizerem que foi graças à sua ação que o problema se resolveu. É possível, se não certo, que até a oposição brasileira conceda mais esta vitória ao Presidente Lula, contribuindo para aumentar seu prestígio popular. Mas o mundo diplomático sabe que Amorim pediu que os Estados Unidos dessem sua contribuição para resolver o impasse e que Lula disse nada mais ter a ver com o problema, e que ele era um problema da OEA. E Chávez, este ganhará: afinal, quem sustenta a mobilização das oposições a Micheletti? Quem ameaça com a Sierra Maestra para forçar uma solução?

 

     A manobra de Chávez é digna do General Giap que derrotou os franceses em Dien-Bien-Phu. É uma manobra tática desenvolvida em duas fases de operação. A primeira foi colocar Zelaya na Embaixada brasileira e, com isso, abalar o prestígio do Brasil no mundo dos Oito, mas também e, especialmente, na América do Sul. A segunda, de maior gravidade estratégica, é fragilizar a UNASUL, criação do Brasil, que pretende ser o guia espiritual de toda a América do Sul, que Lula, Garcia e Amorim imaginam sedenta dos empréstimos do BNDES, novo Banco Mundial ou novo Banco de Exportação e Importação, a exemplo do que os Estados Unidos criaram há muito tempo. Banco imperialista, propalarão os que assessoram o Coronel Chávez.

 

     Ao falar do objetivo estratégico de Chávez como sendo ressuscitar o ideal de Bolivar da unidade da América que fora espanhola, é preciso não esquecer que, para o Congresso do Panamá, em 1826, o Libertador não convidara o Brasil, por ser um Império, nem os Estados Unidos, pois a República nascente não lhe merecia confiança, em grande razão por ser um país de protestantes, para não dizer anglo-saxões. Chávez não pode afastar o Brasil, já minado pela idéia da unidade política latino-americana plantada na Constituição de 1988 − mas não o quer como rival, sabendo embora que o Brasil é, por um sem número de razões a grande potência da América do Sul. Há que neutralizá-la, pois.

 

     A UNASUL é criação brasileira, no sonho dos Cavaleiros do Apocalipse de que é necessário substituir a predominância norte-americana no Sul. Observando os passos da Diplomacia de Brasília, Chávez pôde constatar que a proposta institucional vinha acompanhada de outra, nefasta para seus interesses: a criação de um Conselho de Defesa que cuidaria de planejar a nível sul-americano a produção de armamentos, além de aprofundar a influência da Doutrina Militar Brasileira junto aos militares do Sul, que já a aprendem nos estágios nas Escolas de Comando e Estado Maior das três Forças. Afora isto, havia o BNDES.

 

     Na Guerra Subversiva, como em muitos momentos da clássica, é necessário trocar Espaço por Tempo. A Venezuela perdeu a batalha da criação do Banco do Sul, que substituiria os bancos internacionais na facilitação de empréstimos para os países americanos. Concordou, pacientemente, com a criação do Conselho de Defesa. A evolução − ou o impasse − da situação em Honduras abriu-lhe a possibilidade de avançar.    

 

     Em Cochabamba, sexta-feira e sábado, 17 e 18, reuniram-se os Presidentes e Chefes de Governo da ALBA. Foi a oportunidade para que Chávez avançasse sem que alguém pudesse acusá-lo de tentar sabotar os intentos de integração. Afinal, se a integração começar pelos países da ALBA, governo algum poderá acusá-lo de impedir a unidade sul-americana.

 

     Se o Banco do Sul encontra dificuldades técnicas (e políticas, sem dúvida alguma) para ser criado, cuidou-se em Cochabamba de estabelecer as bases para uma moeda comum: o Sucre. A notícia, telegrama da AP publicado em “El Heraldo” de Tegucigalpa, diz que foi aprovado um convênio para que entre em vigor em 2010 o Sistema Unificado de Compensação de Pagamentos (Sucre), mecanismo de pagamento para o comércio intra-regional que, no futuro, poderá chegar a ser uma moeda comum dos países membros. O convênio aprovado assinala que o Sucre foi criado como ‘instrumento de soberania monetária e financeira e para eliminar a dependência do dólar’.

 

     A ruptura com a UNASUL não está apenas nesta tentativa de criar uma moeda de compensação − que será, sem dúvida alguma, dependente do apoio financeiro que lhe der a Venezuela. A ruptura está na proposta para a criação de um Conselho de Segurança da ALBA. Traduzo a notícia para que seja possível uma visão clara do futuro que nos espera conforme evoluir a situação em Honduras.

 

     “Os Presidentes de Alternativa Bolivariana para os Povos da América (ALBA) anunciaram que criarão um ‘conselho de segurança’ regional para garantir a democracia no bloco e determinaram a sua comissão política que estude um projeto para ser debatido na próxima reunião presidencial. A iniciativa partiu do Presidente venezuelano Hugo Chávez na VII Cúpula da ALBA (…) e foi apoiada por seus colegas de Bolívia, Equador e pelas delegações de Cuba e das ilhas caribenhas que integram o bloco”.

 

     “Chávez sugeriu que o órgão deveria denominar-se conselho de segurança da ALBA, mas seu colega da Bolívia, Evo Morales, sugeriu a criação da ‘escola militar da dignidade e soberania da ALBA para o desenvolvimento de nova doutrina militar’ distante daquela que Estados Unidos fomentaram no continente em décadas passadas em matéria de segurança nacional”.

 

     “O Presidente venezuelano disse que ‘as forças da direita, nacionais e internacionais estariam, mais de uma, batendo às portas dos quartéis (…) desses órgãos de inteligência golpistas, assassinos. Não podemos ficar de braços cruzados porque essa é uma ameaça que está latente ali e tem sua máxima expressão em Honduras. Creio que devemos aceitar esta proposta (de Morales) de criar um organismo militar dos países da ALBA’ ”.

 

     “E prosseguiu: ‘Deveríamos inclusive incrementar tudo o que é treinamento e adestramento conjuntos. Deveríamos realizar manobras terrestres, aéreas e marítimas’ disse Chávez, que acrescentou: ‘Não sei o que se vai a passar em Honduras, mas os povos têm direito à resistência, inclusive armada… Queremos revoluções pacíficas, mas que não nos obriguem a regressar à Sierra Maestra e fazer um Vietnã, dois Vietnãs, três Vietnãs na América Latina’ “.

 

     “Chávez continuou: ‘Digo isto com muita firmeza aos imperialistas e aos gorilas que estão por lá e que crêem que vão instalar de novo neste continente a era das cavernas’’.    

 

     Na mesma notícia poderemos ainda saber que na reunião de cúpula da ALBA ‘interveio um enviado do mandatário da Rússia, que expressou o desejo de aprofundar relações multilaterais e bilaterais com as nações da região”.

 

     Os dados, portanto, estão lançados. Cabe agora, ao Brasil − Governo e oposições, se existem de fato − tirar as conseqüências do que foi dito em Cochabamba e adotar as medidas cabíveis − se é que o triunfalismo e a timidez não levarão Governo e oposição a dizer que Chávez é apenas um boquirroto.

 

       

 

    

 xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

Permitida a reprodução total ou parcial desde que citados autor e fonte.
®2003 - 2017 www.oliveiros.com.br / www.osf.com.br todos os direitos reservados.