Voltei a procurar Tomaz, o Cínico. Ele tem o dom de olhar a História com olhos de quem viveu o fenômeno totalitário na Europa desde o fascismo italiano e acompanhou de perto a vitória de Stalin sobre os velhos bolchevistas, inclusive Trotsky − que não era tão ”velho” assim. Depois, viveu a ascensão e queda do nazismo. Sabe, portanto, como um regime totalitário se instala em países em que há partidos, como a Itália e a República de Weimar, ou naqueles, cuja sociedade era massa amorfa como a Rússia czarista. É o homem certo para ajudar a compreender como estão as coisas no Brasil e, especialmente, o que devemos esperar.

 

     Para minha surpresa, ele não estava sozinho. Tinha uma companhia que, à primeira vista, em nada e por nada combinava com ele. Um indivíduo gordo, indo para obeso, vestido com sotaina de cor indefinida. Mais parecia um padre de antigos tempos, daqueles que nos pintam sentados na adega do convento bebendo hidromel, do que um sacerdote interessado nos conselhos de Tomaz. Bebia rapidamente a cerveja escura numa caneca que devia conter um litro… E fez um gesto de quem vai se retirar para não atrapalhar a conversa.

 

     Tomaz mandou-me sentar. Procurei uma cadeira e acomodei-me como pude no meio daquela desordem. Sherlock Holmes entrou sem bater à porta e postou-se de pé ao lado do piano. Esqueci-me de dizer que Tomaz, o Cínico, sempre se distraía tocando − aliás, bem − piano. A reunião prometia ser instrutiva, entre um especialista em regimes totalitários na Europa e um intelectual normalmente entediado. Teria sido melhor, não fossem as interrupções do padre que se chamava Frei Tuck, aquele, que, agora me recordo, era companheiro de Robin Hood e se divertia brigando com os soldados do xerife de Nothingham. Ele disse algumas vezes que ia embora, mas qual nada! Ficou até o fim.

 

     Tentarei relatar o que disseram como se escrevesse uma peça de teatro: cada um falando por sua vez, interrompendo às vezes o outro, e a conversa muitas vezes derivando para assuntos que parece nada terem em comum.

 

     TOMAZ, dirigindo-se a mim – Imagino por que você voltou. Soube de sua conversa com Holmes. Os quadros estratégicos que ele traçou não se alteraram, pelo visto…

 

     HOLMES − Com uma pequena diferença, a de mais de duas mil assinaturas no ”Não passarão”. Parece-me que estamos diante de um fato novo que o Oficial de Inteligência do Planalto não soube prever. Imaginava que haveria algumas assinaturas no manifesto dos 83 que eram 97, mas não que mobilizasse tanta gente assim. E há, também, o que podemos chamar de Contra-manifesto assinado por Oficiais da Reserva que se recusam a subscrever documento assinado, dizem eles, por torturadores.

 

     TOMAZ − Se for um bom Oficial de Inteligência, observará duas coisas no “Não passarão”. Uma, que 3/4 delas são de Oficiais da Reserva e 1/4 de civis; outra, que a iniciativa não tem o que chamaria de Programa de Ação, para não dizer Plano de Guerra. Na sua análise anterior, você recomendava que se cuidasse de saber quem colocara o Manifesto Interclubes no sitio do Clube Militar. Até hoje, ninguém se preocupou com isso, muito menos o Governo.

 

     TUCK, de pé − Desculpem interromper. Mas quero lembrar que o xerife de Nothingham perdeu-se porque desprezou pequenos fatos. Será que vocês não os estão, também, deixando passar? Como o silêncio no Congresso e o apoio que a maior parte da população dá ao Governo Dilma? Minha experiência faz-me pensar que tudo ficará como está. Aliás, o Amorim declarou que tudo está sob controle, o assunto entregue aos Comandantes das Forças.

 

     HOLMES − Caro padre…

 

     TUCK − Sou frei, meu caro senhor! E já estou de saída.

 

     HOLMES − Desculpe-me. Mas não vá tão cedo. É preciso ver que o Ministro não gostou da palavra “controle”. Tanto pode ser porque as coisas não se passam como esperado, isto é, porque não esteja satisfeito com a, digamos, passividade dos Comandantes, quanto porque não queira mais saber desse assunto, que o coloca mal perante a Presidente…

 

     TOMAZ − Acrescentaria algo mais. Concordo com você quando diz que ele não está satisfeito com o andamento das coisas. Mas, se de fato não quer mais saber das coisas, demonstra que não é “chefe”. Afinal, quando o Chefe Supremo manda punir e quem deveria fazê-lo não o faz, é o segundo na cadeia de comando que toma a iniciativa e impõe sua vontade, que não é dele, aliás, mas da Presidente.

 

     TUCK, ainda de pé e depositando a caneca na mesa − Realmente, não entendo vocês. Duas mil assinaturas, que cheguem a três ou quatro mil, não são para abalar alguém. E não devem abalar, mesmo. Quem, hoje, quer confusão na área militar? Ninguém. O País vai muito bem, apesar de algumas coisas andarem muito mal, mas o povo não se mexe, não! Vocês, intelectuais, parece que têm necessidade de ver pêlo em chifre de boi para mostrar que são mais inteligentes que nós, pobres mortais…

 

     HOLMES − Perdoe-me o reverendo, mas devo lembrar-lhe que seu amigo Robin só conseguiu derrotar o xerife porque soube ouvir e interpretar o rumor que vinha da floresta. Estranho que o Frei não tenha sentido que alguma coisa está mudando…

 

     TUCK − É evidente que está mudando. Afinal, a classe média ascendente já começa a sentir os efeitos da crise econômica que virá…

 

     TOMAZ − Não é disso que se trata, frei. Sei que é importante ouvir as queixas dos que começam a desacreditar das promessas do Governo. Mas me refiro a sons de outro tipo. Confesso que não soube distinguir se estamos ouvindo harmônicos. Porque os acordes se misturam, confundem o ouvinte e distraem sua atenção do principal − se é que outros, que não nós dois, têm idéia do que seja o principal!

 

     HOLMES − Vamos esclarecer nosso amigo Frei Tuck, que parece um pouco afastado da realidade das coisas importantes. Frei! O que Tomaz e eu estamos ouvindo é um barulho, ainda não muito alto, mas que, pela experiência dele e por minha dedução, indica que há uma trinca no cristal da tão desejada e nunca alcançada paz social.

 

     TOMAZ − Do que tenho medo, Tuck, é que a Política esteja sendo substituída, queiram ou não os assim ditos atores principais, pela Moral no seu sentido mais lato. Isso não é ruim. É péssimo e diria mesmo mau.

 

     TUCK − A moral me interessa, Tomaz, apesar do que seu amigo Holmes possa julgar em contrário. Mas não vejo onde pequenos deslizes aqui e ali possam impressioná-los tanto. Afinal, queiram vocês ou não, continuamos a fazer política (politicagem, vá lá). Onde está essa trinca tão perigosa?

 

     HOLMES − Deixe que respondo, Tomaz. Está na volta do debate sobre o aborto. É uma questão moral, não política…

 

     TOMAZ − Perdoe-me, Holmes. Para quem tem sólidos princípios morais, é apenas natural que deseje que a Cidade − perdoe-me a volta a não sei quantos séculos − se reja pelas leis morais. A questão está, meus caros, em que a discussão sobre o aborto está saindo do campo da Moral, uns sendo a favor, outros contra, fundados em diferentes, repito, diferentes conceitos de Moral, e indo para o Político na sua pior acepção, que é o administrativo. E acrescente pior nisso: quando se vê uma Ministra do Governo Dilma dizer, sem receio de contestação, que médicos do serviço público que se recusem a fazer um aborto legal − bonito termo, não? − por objeção de consciência devem ser afastados de seus cargos. Esse, Tuck, é o som estranho que Holmes e eu conseguimos distinguir no rumor que sai da floresta. Em nome de um chamado direito da mulher dispor de seu próprio corpo, o que se quer − e note que Querer é mais forte que Desejar − é impedir alguém de pautar sua conduta profissional por padrões morais diferentes daqueles dos que atualmente nos governam. Já vi tudo isto no III Reich e na Rússia de Stalin. O que me espanta, e mais do que espanta, faz-me temer pelo que virá, é que poucos, se os houve, reagem a este passo totalitário, pequeno sem dúvida, mas um passo no caminho do nazi-stalinismo.

 

     TUCK − Mas para que o querer da Ministra tenha efeitos, é preciso uma lei…

 

     TOMAZ − Bastará um decreto.

 

     TUCK − Concordo. Mesmo que seja decreto, ainda há o Congresso e depois a Justiça, não se esqueça, que estão aí para impedir que cheguemos a este final trágico que vocês dois estão prevendo.

 

     HOLMES − Tuck, meu caro frei. A Justiça já demonstrou que às vezes atende aos desejos do Poder. Lembre-se do caso da extradição do terrorista italiano. Por que não irá, agora, defender os chamados direitos da mulher e sacrificar os que defendem uma postura moral no exercício de sua profissão? Você acredita na bondade humana. Eu tenho receio deste bicho-homem, que, por ter nascido livre, julga que pode fazer o que melhor lhe interesse. Os evangélicos estão contra o aborto. São uma bancada importante no Congresso…

 

     TOMAZ − O que já é um mau sinal para quem pensa na democracia como sendo um Estado acima de variantes religiosas. Mas, enfim, o Brasil é um Estado corporativo. Basta ver como se distribuem as bancadas na Câmara: a evangélica, a católica − existe abertamente? − a ruralista e assim por diante…

 

     HOLMES − Não me corte tanto, Tomaz! O que vejo de mau − para não dizer que é o Mal que está triunfando − é que o aborto, questão moral para muitos, virou moeda de troca para alguns: “se vier o aborto legal, não votaremos mais com o Governo”. E há mais, Tuck: a defensora do fim da Objeção de Consciência é a mesma Ministra que sustenta que a Comissão da Verdade deve punir 1964 na pessoa dos militares que serão selecionados a dedo para servir de Judas na Páscoa.

 

     TOMAZ − Com o que voltamos, Holmes e Tuck, queiramos ou não, ao início de nossa conversa. Só que, agora, temo que os assuntos se misturem numa pólvora de alto poder explosivo. Vocês se recordam de que houve um período, entre 1963 e 1979, em que se dizia que a guerra revolucionária tinha diferentes etapas, e que começava pela difusão da droga, passava pela destruição da Família e acabava com a tomada do poder de Estado. Vendo, como vejo, que muitas cabeças ilustres acreditam que está em marcha um processo de acordo com os ensinamentos (?!) de Gramsci, não me espantaria que, para combater o aborto se volte a falar em guerra subversiva, Gramsci e companhia bela. Então, meus caros, teremos novas guerras de religião.

 

     HOLMES − Sem dúvida, voltamos ao início. Mas veja que os assuntos estão ligados: Política e Moral. O importante é saber distinguir os campos e saber fazer Política. Há um campo em que Política e Moral se aproximam: o da corrupção, que hoje comove milhares de brasileiros. O problema é que estão preocupados com a corrupção como atentado à Moral, esquecendo-se de que aquilo que vemos hoje só é possível porque a Política deixou de ser um conjunto de ações destinadas a fortalecer o Estado − e, portanto, a solidariedade social − e passou a ser uma diversão em que alguns, se não muitos, aproveitam-se de suas posições para enriquecer e corromper para conseguir riqueza. Ora, voltando aos meus quadros estratégicos…

 

     TUCK − Lá vem você com essa idéia de quadros estratégicos. Esqueça-se um momento de que a Inteligência não serve apenas para fazer raciocínios abstratos e faça seus neurônios captarem a realidade. É com ela que convivo.

 

     HOLMES − Qual seria…

 

     TUCK − Não interrompa! (e sorveu um último gole da cerveja, virando a caneca como a sugá-la) A realidade é que o País vive, hoje, clima em que a boa conduta está orientada por aquele slogan da III República Francesa, e que foi aceito no Brasil na época do “milagre”: “enriquecei-vos!” – que depois foi popularmente traduzida por “locupletai-vos todos”. Vocês dois não dão importância ao fato de a Bolsa ter sofrido uma grande transformação: já não são os grandes investidores e aproveitadores que jogam na alta e na baixa das ações. Quando se pode entrar neste enorme cassino pela internet e ganhar ou perder sem intermediação, a nossa velha moralidade foi para o espaço. O importante é ganhar! E ganhar individualmente. Vocês podem não me levar a sério, vendo-me beber cerveja e brigando ao lado de Robin. Apesar desse jeito bonachão, sei lutar com meu cajado e, lembro-me − estudei, sim! -, de São Paulo: o mal não é o dinheiro, é a ganância pelo dinheiro. Agora me diga, senhor estrategista, como reverter tudo isso e acudir a população que se vê expropriada inclusive do saber?

 

     HOLMES − Não vou pretender voltar à sua tão querida Idade Média, meu caro frei. Mas acrescentaria às palavras de São Paulo que a cobiça pelo dinheiro vem sempre associada à volúpia de ter poder. O que você disse a respeito da Bolsa é certo. Será muito difícil, na época da internet, impedir alguém de tentar a fortuna na Bolsa de Londres, quando a de São Paulo não andar bem. Mas você deveria ver que até mesmo entre os que se deixaram seduzir pelo “enriquecei-vos!” − e os houve e há em todas as classes sociais − encontramos pessoas (e são muitas) que têm a amarga sensação de que lhes falta algo. É a busca desse “algo” que explica o crescimento das seitas pentecostais e, você sabe melhor do que eu, o lento, mas constante aumento dos que voltam ou procuram a Igreja Católica para consolar-se e encontrar uma saída. Veja o crescimento do que chamam de “movimentos” na Igreja Católica.

 

     TOMAZ − Bravo! Mas preste atenção, meu amigo, que essa procura de algo superior esteve na raiz do êxito dos movimentos totalitários na Europa. Mussolini, Goebbels, o próprio Hitler sabiam que tinham de aproveitar esse anseio para chegar ao poder. E você não entenderá o fascínio que a revolução russa exerceu sobre intelectuais entediados se não se lembrar de que ela apareceu como uma saída para tudo: para questões morais, sociais e políticas. Stalin, enquanto mandava milhares para os campos de concentração, alardeava que se estava forjando na URSS um Homem Novo. Se o fascismo e o nazismo falavam na construção de um grande Estado, o comunismo falou durante anos no Homem Novo. Não esqueçamos isso. Mas, Holmes, e seu quadro estratégico?

 

     HOLMES − Será difícil esperar que o misterioso personagem que colocou o manifesto interclubes militares no sítio do Clube Militar e conseguiu transformar o “Não passarão” no “Manifesto dos 2 mil”, tenha pensado nestas coisas abstratas que nós discutimos. Mas, pelo menos, as adesões indicam que há quem, no Brasil sem medo de ser feliz de dona Dilma, sabe que os rumos que ela e o PT vão imprimindo à Política acabarão levando o País a se não um regime totalitário, como os nazi-fascistas (e o stalinismo é nada mais que isso), seguramente a um regime em que pensar e tentar agir diferentemente dos que estão no Poder será perigoso…

 

     TUCK − Lá vem vocês com essas comparações que nada têm em comum com a realidade brasileira. Regime em que pensar diferente é perigoso? Pelo amor de Deus! Ponham os pés no chão! (encheu novamente a caneca e bebeu um gole mais. Depois, disse, triunfante) Mas lhes digo que, se isso acontecer, lembrarei minha luta contra o xerife de Nothingham…

 

     TOMAZ − Está bem, Tuck. Quero esclarecer, Holmes, que mesmo não havendo prisões por objeção de consciência, haverá o isolamento intelectual, administrativo e político, os ataques sempre coordenados por parte de quem, na Imprensa e na Universidade, considera que tudo vai bem, e até mesmo a crítica de muitos pastores e bispos que julgam ser de conveniência estar bem com o Poder para que não se criem restrições ao culto. Esse é o perigo.

 

     TUCK − Bem, nesse ponto você tem razão. Lembro-me de que o Bispo de Nothingham gostava muito da companhia do xerife…

 

     Foi minha vez de intervir. A noite ia avançada e todos estávamos cansados. Suspendi, autoritariamente, a reunião e combinamos nos ver novamente quando e se houvesse fatos novos. E, finalmente, Tuck se foi, a acudir os necessitados.

 

 

 

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Permitida a reprodução total ou parcial desde que citados autor e fonte.
®2003 - 2017 www.oliveiros.com.br / www.osf.com.br todos os direitos reservados.